Os 20 Princípios Fundamentais de UX Design Que Um Designer Deve Seguir

UX design é um campo vasto e em constante mudança. Do ponto de vista do usuário, as coisas podem ser tão simples quanto apertar um botão, mas até mesmo os menores detalhes exigem muito tempo e esforço por parte do designer.

Mas não se preocupe: os princípios de design formados ao longo dos anos colocarão você no caminho certo.

Vamos analisar os princípios fundamentais de UX design que o ajudarão a manter o controle sobre o processo design e a criar produtos digitais que conquistarão o coração dos usuários.

1- Mantenha o foco no usuário

O usuário vem primeiro – sempre. Este é um dos fundamentos mais comuns de UX design. É importante que os UX designers se coloquem na pele dos usuários e construam o produto de acordo com as necessidades deles. Embora os designers geralmente tenham altos padrões e queiram entregar o melhor visual e a melhor experiência, a mesma busca por perfeição pode levá-los a perder a empatia pelo ponto de vista do usuário.

Os melhores UX designs mantêm os usuários focados, o que significa que, como designer, você deverá deixar de lado as suas próprias preferências. Em vez disso, é preciso entender as dores dos usuários, além de suas preferências de opiniões. É exatamente por isso que as equipes de design passam tanto tempo conhecendo os usuários nas etapas iniciais do processo de design.

2- Testes de usabilidade

Por que alguém criaria um produto digital que os usuários simplesmente não conseguem usar? O princípio da usabilidade é o coração do UX design, já que seu principal propósito é resolver os problemas dos usuários. Não importa o quão esteticamente agradável seja o seu trabalho, ele não atrairá os usuários se não for seguro e fácil de usar.

Capacidade de aprendizagem > Eficiência > Memorabilidade > Usabilidade < Satisfação < Tolerância ao erro

O exemplo mais óbvio pode ser o design de um site. Um site desorganizado e difícil de navegar está fadado a perder visitantes. O design possui um impacto direto e poderoso nos usuários, o que gera conversões. Como um UX designer, você precisa garantir que cada botão, texto, snippet e elemento possui um propósito e garantir que o usuário consiga alcançar facilmente esse propósito.

Tenha em mente que o design ideal vai variar para cada site, marca e produto. Portanto, é melhor testar a usabilidade e os elementos de design, como estilo, fonte, texto e clareza. Por exemplo, o HubSpot revelou que usar a cor vermelha aumentou sua taxa de conversão em 21% em comparação com a cor verde.

3- Testes de acessibilidade

Os UX designers às vezes desconsideram a acessibilidade e acabam focando demais na usabilidade do produto. No entanto, é fundamental garantir que todos os usuários, incluindo pessoas com deficiência, possam usar o produto com facilidade.

Até pouco tempo atrás, a acessibilidade de produtos digitais era considerada um trabalho desnecessário. Mas felizmente isso mudou. O aumento da demanda por produtos digitais e algumas leis novas contribuíram com a melhoria da acessibilidade dos produtos.

Para os UX designers, a acessibilidade inclui elementos como:

  • Legibilidade dos textos;
  • A quantidade certa de contraste;
  • Cores que podem ser vistas por todos.

Resumindo, os testes de acessibilidade são cruciais para ajudar mais pessoas a usar o produto.

4- O contexto importa para designers e usuários

Teoricamente, considerar o contexto ensina aos UX designers quais fatores podem afetar o usuário final e influenciar o problema que a solução resolverá. Na prática, isso também inclui o contexto em torno do uso da solução. Considere coisas como os dispositivos preferidos do usuário, o que pode levar o usuário a usar o produto e qualquer outro fator que possa afetar o uso da solução.

Não são apenas os designers que precisam de contexto, os usuários também precisam. Na verdade, muitas vezes as equipes de design oferecem aos usuários algum contexto para diminuir os possíveis atritos durante a jornada do usuário. Preencher formulários é um dos exemplos mais comuns. Os designers geralmente tomam muito cuidado com o design do formulário, pois as perguntas podem estar abertas à interpretação.

5- Consistência é fundamental

Construir um design consistente significa implementar os componentes de UI corretos e repeti-los para ajudar os usuários a entender o produto mais rapidamente. Por exemplo, os botões devem se comportar exatamente da mesma forma quando o usuário clicar ou passar o cursor do mouse sobre eles.

Se um produto exige muito esforço por parte do usuário para ser entendido, ele provavelmente não irá longe. É por isso que a consistência em UX design é um princípio crucial para a capacidade de aprendizagem de um produto.

6- Menos é mais

O arquiteto Ludwig Mies van der Rohe foi o primeiro a propor o princípio de design de que “menos é mais”. Em termos de experiência do usuário, o propósito principal é simples: melhorar a consistência e a usabilidade.

Ao focarem intensamente em criatividade e originalidade, os designers podem acabar desorganizando a interface e até mesmo o produto.

Por exemplo, em 2007 a Apple desenvolveu o teclado do iPhone com base no princípio de UX design de que menos é mais – assim como o próprio site da Apple.

Você também pode gostar: Os principais UX designers para seguir.

7- Tenha uma hierarquia visual

Hierarquia visual é a forma dos designers de transmitir ao usuário a importância dos elementos dentro de um produto. Uma boa hierarquia visual ajuda os olhos dos usuários a se movimentar pela interface, partindo do aspecto mais importante para o menos importante de forma gradual.

Alguns exemplos comuns incluem a diferença de tamanho das fontes em títulos e textos normais ou a diferença de cor dos botões. Enquanto as cores dos botões principais devem ser mais chamativas – o botão “Enviar” pode ser vermelho, por exemplo –, botões como “Voltar” e “Cancelar” podem ser mais discretos e utilizar tons de cinza.

8- Entenda o poder da tipografia

Quando dizemos que a sua escolha de tipografia tem o poder de prejudicar todo o UX design de um produto, isso não é nenhum exagero. A tipografia impacta significativamente a forma com que os usuários interpretam qualquer mensagem escrita. Mais do que isso, ela pode alterar os níveis de usabilidade e acessibilidade de um produto.

Como UX designer, considerar a hierarquia da tipografia torna um design mais amigável. Um dos melhores exemplos é a tipografia da plataforma de publicação Medium, que facilita e agiliza a leitura dos textos no site.

9- Forneça a quantidade certa de controle para o usuário

O controle do usuário é mais um princípio fundamental de design para a experiência do usuário. Na verdade, é a terceira heurística de usabilidade de Jakob Nielsen para o design de interface do usuário. De acordo com esse princípio:

Os usuários selecionam funções do sistema por engano e precisarão de uma saída de emergência óbvia para sair dessa ação indesejada. Em outras palavras, é preciso oferecer opções de desfazer e refazer.

Os controles da UI que permitem que os usuários retornem a um estado anterior no sistema incluem:

  • Opções de Desfazer e Refazer;
  • Um link de Cancelar para sair de uma tarefa ou um processo com múltiplos passos;
  • Um link de Voltar para retornar à página ou tela anterior;
  • Um link de Fechar.

10- Identifique os modelos mentais dos usuários

O conceito de modelo mental se refere à teoria de que os humanos criam significado para como o mundo em volta deles funciona. Como resultado do modelo mental, uma pessoa pensará e agirá de uma certa forma, o que é muito vantajoso para UX designers.

Com o princípio de modelo mental, os UX designers podem:

  • Ver da perspectiva do usuário
  • Produzir um produto intuitivo que os usuários conseguem entender sem muito esforço

Métodos para entender os modelos mentais:

  • Teste da árvore
  • Observação contextual
  • Card sorting (ordenação de cartões)

11- Siga os padrões de UX design

Em resumo, os padrões de design são soluções repetíveis para problemas comuns em design de software. Esses padrões foram testados e utilizados muitas vezes por designers ao longo dos anos. Na verdade, há muitos sites dedicados a listar os padrões de design.

Os padrões de design podem acelerar muito o processo de UX design por fornecerem paradigmas testados e comprovados. Consequentemente, eles dão respostas para problemas comuns que os UX designers podem enfrentar.

12- Arquitetura da Informação (AI)

Pode ser um pouco difícil explicar AI para UX designers novos. Em essência, a arquitetura da informação é a criação de uma estrutura para um site, aplicativo ou outros projetos que organize tudo para os usuários. Isso resulta na criação de:

  • Navegação
  • Metadados
  • Sitemaps
  • Hierarquias
  • Categorizações

O objetivo da arquitetura da informação é ajudar as pessoas a entender o que elas estão olhando e onde elas podem encontrar o que estão buscando. Por exemplo, quando um designer está construindo um menu de alto nível para ajudar os usuários a entender onde eles estão em um site, isso é um exemplo de arquitetura da informação.

13- Storytelling em UX design

Ao construir a experiência do usuário, você está contando uma história para o usuário, ao longo do processo de design, para causar uma impressão duradoura nos usuários. As pessoas amam histórias, e produtos com histórias inspiradoras tendem a vender mais. No entanto, no mundo do UX, o design narrativo é feito de uma forma visual.

Usando imagens, vídeos, animações e textos, as equipes de design transmitem uma narrativa que evoca emoção. Marcas mundialmente conhecidas como Sephora, Audi e Tiffany utilizam storytelling visual para comunicar a identidade da marca ou uma campanha nova.

14- Entenda a função dos entregáveis de UX

Em web design, o termo entregáveis se refere ao registro concreto dos materiais necessários para documentar diferentes fases do processo de design. Alguns dos entregáveis mais comuns para um projeto de UX incluem wireframes e protótipos, personas, sitemaps, relatórios de testes de usabilidade, modelos mentais e fluxogramas.

Criar entregáveis de UX ajuda os designers a:

  • Transformar ideias em exemplos sólidos (protótipo)
  • Ter empatia com os usuários
  • Testar
  • Identificar o problema do usuário

15- Use o princípio da familiaridade em UX design

O princípio da familiaridade em UX é mais comum do que você pode imaginar. Pense no conceito de stories do Instagram. Quando rastreamos suas origens, o Instagram se baseou no Snapchat para criar esse recurso; posteriormente, o Facebook e outras plataformas sociais como o YouTube também começaram a usá-lo. Todos esses apps deram aos usuários algo familiar e forneceram uma experiência parecida. Como resultado, eles eliminaram a curva de aprendizagem.

Também estamos familiarizados com certos designs de interface como chat, e-commerce e redes sociais. No dia a dia de um usuário comum, é possível encontrar padrões de UX específicos, o que facilita a vida dos designers.

Aqui estão alguns benefícios da familiaridade em UX design:

  • Reduzir a curva de aprendizagem
  • Melhorar a retenção dos usuários
  • Acelerar o processo de construção do UX
  • Acelerar a adoção do produto

16- Entenda os testes com os usuários na teoria e na prática

Testes com os usuários são uma parte crucial de qualquer processo de UX design. Isso geralmente envolve avaliar um produto ou serviço digital pesquisando sobre ele a partir de diversos métodos diferentes. Para ver como os usuários interagem com o design, os UX designers o apresentam para usuários reais e avaliam o resultado.

Com um protótipo concreto, os designers podem observar como os usuários interagem com seu design. Embora haja diversas formas diferentes de se fazer isso, um método muito comum são os testes A/B.

Propósito: permitir que você observe o comportamento dos usuários e veja se atende às expectativas do design.

Métodos de testes com os usuários: embora possam variar, os métodos incluem card sorting, entrevistas presenciais, testes de usabilidade remotos e não moderados, testes A/B e gravação da sessão.

Há diversos serviços focados especificamente em testes digitais com os usuários, incluindo algumas ferramentas populares como Hotjar, Crazyegg e UserTesting.

17- Adicione personalidade ao design

Uma forma de gerar interesse na persona do usuário para a qual você está criando o seu design é apresentar uma personalidade no design. Muitos usuários têm dificuldade de se conectar com um design sem vida, mas a personalidade do seu design é capaz de quebrar o gelo. É uma questão de adicionar um toque humano a produtos digitais.

18- Saiba a diferença entre produtos web e móveis

A diferença entre o UX de um site e um app móvel é drástica. A principal diferença é o tamanho da tela, o que significa que a hierarquia visual e a arquitetura da informação serão diferentes na web e em dispositivos móveis.

Além disso, telas pequenas podem fazer com que os usuários se confundam e se percam no design. É por isso que, como UX designer, você terá que simplificar ainda mais o design para usuários móveis; e não é apenas por conta do tamanho das telas.

Outros fatores também entram em jogo para apps móveis, incluindo o contexto em que os usuários utilizarão o app e os sistemas operacionais.

19- Use as ferramentas corretas para ter mais eficiência

Usar as ferramentas corretas para ter eficiência é um princípio de UX design que não deve ser ignorado. Trata-se de usar uma ferramenta de prototipagem profissional e fornecer as ferramentas necessárias para a equipe de design.

Por exemplo, utilizar uma ferramenta de alta qualidade para fazer testes com o usuário garante que nenhum detalhe passará despercebido. No fim das contas, ter as ferramentas corretas para gerenciar tarefas e testar os designs pode melhorar o processo de construção do UX como um todo.

20- Mantenha as primeiras etapas do seu protótipo simples

Sim, um protótipo de alta fidelidade e com muitos detalhes é o objetivo final, mas começar com muitos detalhes na sua ferramenta de prototipagem pode ser um grande erro.

A maioria das equipes de UX design começa a imaginar uma solução e refletir sobre o visual do produto usando apenas papel e caneta. Essa prática facilita a discussão sobre qual ideia é a melhor abordagem para a interface, etc. Com base nesse primeiro modelo, a equipe cria um wireframe, destacando a estrutura básica, as funções e a interface. Em essência, a equipe vai evoluindo gradualmente até criar um protótipo de fato.

Mas por que todo esse esforço? Bem, porque construir um produto que atenda perfeitamente às necessidades do usuário requer iteração, testes e mais iteração.


Perguntas Frequentes


Quais são os maiores princípios de UX design?

  • Usabilidade
  • Hierarquia visual
  • Acessibilidade
  • Usabilidade
  • Consistência
  • Contexto
  • Controle do usuário
  • Familiaridade

Como escrever os princípios de UX design?

  1. Dê preferência a frases curtas
  2. Repita-as regularmente
  3. Torne-as memoráveis
  4. Use uma terminologia consistente
  5. Evite jargões, expressões, gírias e ambiguidade

Quais são as técnicas de UX design?

As técnicas de UX design são um conjunto de métodos incorporados pelos UX designers para testar e encontrar os caminhos que trazem os melhores resultados. Essas técnicas incluem:

  • Testes de usabilidade remotos
  • Card sorting (ordenação de cartões)
  • Rastreamento ocular
  • Testes de usabilidade
  • Entrevistas de campo
  • Entrevistas presenciais
  • Auditoria concorrencial

Junte-se a 9.000+ equipes que já estão criando experiências melhores

Teste gratuito de 14 dias, com mais 30 dias de garantia de dinheiro de volta

Share this article:

Serhat Erdem

Serhat is the Creative Content Writer of UserGuiding, a code-free product walkthrough software that helps teams scale user onboarding and boost user engagement.